sexta-feira, 5 de agosto de 2016

Questionário sobre Percepção Ambiental é lançado em Lages


 

A Fundação SOS Mata Atlântica e Instituto Paulo Montenegro lançaram a Consulta Pública de Percepção Ambiental. O objetivo é apoiar e fortalecer as ações dos Conselhos Municipais de Meio Ambiente, Organizações Públicas e Sociais, bem como qualquer outro grupo organizado que, com a realização da Consulta Pública de Percepção Ambiental em seu município, poderá identificar suas deficiências e potencialidades nos temas abordados dentro da área de Meio Ambiente.

A importância da pesquisa em percepção ambiental para o planejamento do ambiente foi ressaltada pela UNESCO já em 1973, no Programa o Homem e a Biosfera (MAB – Man and the Biosphere Programme). Para atingir seus objetivos, o Programa MAB adotou uma abordagem ecológica integrada para as suas atividades de investigação e formação, centrada em torno de catorze grandes temas, e projetada para a solução de problemas concretos de gestão nos diferentes tipos de ecossistemas.

A Consulta Pública de Percepção Ambiental permite coletar dados que indiquem como as pessoas percebem o município onde vivem, sob a perspectiva ambiental, mapear tendências, problemas e possibilidades de soluções. Ao mesmo tempo, possibilita o compartilhamento de informações, a partir de uma metodologia que promove a participação e a mobilização social, e proporciona momentos de reflexão sobre as influências do meio ambiente na qualidade de vida da população (SOS Mata Atlântica).

Assim, tendo em vista que o Município de Lages está elaborando o Plano Municipal de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica, e também iniciará o Plano de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos, que são dois documentos importantes para o planejamento ambiental do município, a Secretaria do Meio Ambiente de Lages em parceria com a SOS Mata Atlântica lança esse questionário de Percepção Ambiental para que os Lageanos possam apresentar seus anseios, preocupações e sugestões na área de Meio Ambiente.

Participe! Acesse o questionário e responda!

Clique aqui e acesse o questionário 

 

quarta-feira, 29 de junho de 2016

Entrevista com o biólogo João Paulo Capobianco


Capobianco esteve no Seminário Preservação da Mata Atlântica (22) e o Lendo e Relendo fez uma entrevista com dúvidas peculiares sobre o assunto. João é biólogo, ambientalista e consultor, doutor em Ciência Ambiental pela USP, foi Secretário Nacional de Biodiversidade e Florestas e Secretário Executivo do Ministério do Meio Ambiente (2003 a 2008), quando exerceu, entre outras funções, a vice-presidência do Conselho Nacional do Meio Ambiente. Foi professor visitante da Universidade de Columbia (2008 a 2009) onde desenvolveu estudos de avaliação e identificação de processos capazes de conter o desmatamento em países em desenvolvimento.

Fundou e dirigiu várias organizações não governamentais no Brasil, incluindo a Fundação S.O.S. Mata Atlântica e o Instituto Socioambiental e é autor de diversas publicações sobre questões ambientais. Atua principalmente nos seguintes temas: conservação ambiental, gestão ambiental, políticas públicas, desmatamento e diversidade biológica.

Porque as empresas/pessoas não conseguem ter um desenvolvimento regional totalmente sustentável?
A questão da sustentabilidade exige alguns ajustes no modo de vida. E, as pessoas muitas vezes têm resistência a mudar, mesmo que você avalie e perceba que a mudança é positiva, mudar gera desconforto e dificuldades, trata-se de uma resistência natural do ser humano. Por isso que é necessário incluir na perspectiva da sustentabilidade, a perspectiva da mudança, comportamento próprios das coisas, pois aí você vai se ajustando, e quando você olhar para trás vai pensar: “Poxa vida por que eu não fazia assim antes?”.

No que a destruição da Mata Atlântica nos atinge?
Diretamente. Tudo depende da floresta, o ciclo das águas, o clima, o controle do solo, o controle biológico que é importantíssimo para combater as pragas da agricultura, para impedir o assoreamento dos rios, então a Mata Atlântica é muito importante para isso, ela garante um equilíbrio onde a gente possa ter mais qualidade de vida.
Quem está no Litoral é mais atingido do que nós da Serra Catarinense?
Não, todos são atingidos, igualmente. Aqueles que estão em locais mais preservados, hoje, tem muito mais conforto ambiental do que aqueles que estão em lugares degradados.  

O senhor acredita que os nossos governantes, na esfera local seja os vereadores, prefeitos e até governadores estaduais estão mais próximos de pensar sustentavelmente ou ainda não? Como você vê essa questão?
Olhando em geral, todos os lugares que eu vou no Brasil e fora, mais especificamente aqui no Estado, eu acho que mudou muito, melhorou muito. A resistência era muito maior, eu lembro quando nós começamos a luta pela proteção da Mata Atlântica, Santa Catarina era um Estado líder em desmatamento, e havia uma enorme resistência em não desmatar, e aqui ainda se praticava o uso de espécies como a Araucária, a Canela, e outras espécies ameaçadas, ainda se usava isso na indústria madeireira, o que era uma coisa inaceitável. Não havia mais quase espécies a serem exploradas, havia muito pouco. E ao longo do tempo a gente percebe como isso mudou, hoje é claro que há resistência, há alguns setores que pressionam, mas hoje a agenda ambiental da conservação é abraçada por quase todos, e isso é muito positivo, pois acabou mudando a mentalidade das pessoas e dos governantes.

Então o que é necessário para mudar a visão das pessoas?
É preciso mudar as formas de ver as coisas, criar percepções que são mais interessantes do ponto de vista econômico e ambiental, que é melhor para as empresas preservar certas áreas do que fazer algum empreendimento que pode trazer resultado a curto prazo, mas grandes prejuízos a longo. Então se trata de um modo de ver as coisas, não se trata de sacrífico, é uma forma de encarar as coisas diferentes, é uma forma de fazer as mesmas coisas de forma adequada, com respeito a natureza, conservando-a. Por que eu não posso ser um agricultor, e produzir bem, e proteger as minhas nascentes? Eu posso, e pode ser melhor pra mim. É que as pessoas achavam que tinham que ocupar tudo, desmatar tudo e plantar, não é assim. Não é sofrimento, eu não tenho que mudar meus hábitos pra pior, é para melhor, ter mais coerência comigo mesmo e com a natureza. É um ganho para todos.

Quem é o principal culpado das mudanças climáticas?
Somos todos nós! Não existe o maior culpado, poderia falar, o Estados Unidos é o maior emissor, a China o segundo, mas não vale a pena ir por aí. Se todos nós formos nos conscientizando, fazendo ações importantes, por exemplo aqui, recuperarmos a Mata Atlântica que foi desmatada, imagina a contribuição que nós estaremos dando. Vamos estar diminuindo, vamos parar de emitir, essa é uma contribuição. Então, eu diria que todos nós somos culpados, estamos em uma sociedade extremante consumista, a gente joga fora as coisas que estão novas e isso gera produção, gera emissão. Todos nós devemos nos conscientizar, e assim podemos cobrar aqueles, quando tivermos uma postura adequada, ai podemos cobrar aqueles que mais emitem.

Na sua visão como será o mundo daqui a 20 anos?
Eu acho que vai ser melhor, eu vejo que o entendimento dos problemas está aumentando na sociedade humana, e não só no Brasil. Como a própria China, que se tornou uma época o maior emissor, eles estão investindo pesado em energias alternativas, baixa emissão. Hoje são líderes de energia eólica, estão mudando práticas. A Europa é quem está mais a frente, colocando programas de mudanças completas na produção de energia. Há uma mudança, a própria Conferência de Paris*, nunca os países se reuniram pra dizer: Vamos fazer a coisa certa. Tudo bem que tem prazos que a gente pode reclamar, tem que ser mais rápido, não era bem isso… claro, mas ele trás uma mudança de postura. Mas acho que poderia ser pior, a gente tem chance.


** COP21 (Conferência das Partes/ONU): conhecida como Conferência de Paris. Realizada em 2015, foi uma sessão global onde as decisões foram tomadas para cumprir as metas de combate às mudanças climáticas.

Público presente no Seminário Mata Atlântica

terça-feira, 28 de junho de 2016

Região discute os Planos de Preservação da Mata Atlântica

Secretários Municipais de Meio Ambiente e técnicos das prefeituras participaram na manhã do dia 23 de junho, de reunião no auditório da Amures para conhecer as ações que estão sendo realizadas para implementação do Plano Municipal de Preservação da Mata Atlântica de Lages. O evento faz parte da programação do Mês do Meio Ambiente.

As informações foram repassadas por uma equipe da Associação de Preservação do Meio Ambiente do Alto Vale do Itajaí – Apremavi, de Atalanta. Considerado um dos biomas mais ricos em biodiversidade do mundo, a Mata Atlântica é ao mesmo tempo o segundo mais ameaçado de extinção, segundo dados da equipe da Apremavi.

E por ter 70% da população brasileira dividindo espaço com este bioma é que é grande o desafio para se implementar os planos de preservação. O diálogo iniciou com Leandro Casanova que falou sobre o ordenamento territorial da região. Ele discorreu sobre pontos fortes, fracos, aspectos econômicos e sociais, oportunidades e ameaças diante das mudanças climáticas.

Mirian Prochnow falou da importância da implementação do Plano de Preservação da Mata Atlântica, de forma participativa da comunidade e entidades. O plano segundo ela, tem de ser concebido como um instrumento para se pensar o que se quer realmente dos municípios. “Nesse plano pensamos soluções para situação econômica e de meio ambiente”, citou.

A reunião teve apoio de várias entidades como o Consócio Serra Catarinense – Cisama, Polícia Ambiental, Instituto José Paschoal Baggio e outros, cuja proposta foi sensibilizar os municípios da Serra Catarinense para que implementem seus Planos de Preservação da Mata Atlântica. Essas ações dos planos estão alicerçadas no foco de uma perspectiva econômica, social e ambiental.


Texto: Oneris Lopes 
AMURES (Associação dos Municípios da Região Serrana)

terça-feira, 21 de junho de 2016

Inscrições online para Seminário encerradas

Recebemos 118 inscrições online para o "Seminário Mata Atlântica" que acontece amanhã (22).

Mas não se desespere! 

Se você ainda não se inscreveu, amanhã no horário do credenciamento, às 08h00, você pode fazer sua inscrição.

Local: Auditório de Engenharia Ambiental no Centro de Ciências Agroveterinárias (CAV/Udesc)


sábado, 18 de junho de 2016

Seminário traz João Paulo Capobianco

João Paulo Ribeiro Capobianco estará no Seminário Regional "Mata Atlântica".

Capobianco é biólogo, ambientalista e consultor, doutor em Ciência Ambiental pela USP, foi Secretário Nacional de Biodiversidade e Florestas e Secretário Executivo do Ministério do Meio Ambiente (2003 a 2008), quando exerceu, entre outras, as funções a vice-presidência do Conselho Nacional do Meio Ambiente. Foi professor visitante da Universidade de Columbia (2008 a 2009) onde desenvolveu estudos na avaliação e identificação de processos capazes de conter o desmatamento em países em desenvolvimento.

Fundou e dirigiu várias as organizações não governamentais no Brasil, incluindo a Fundação SOS Mata Atlântica e o Instituto Socioambiental e é autor de diversas publicações sobre questões ambientais. Atua principalmente nos seguintes temas: conservação ambiental, gestão ambiental, políticas públicas, desmatamento e diversidade biológica.

Para se inscrever acesse: http://goo.gl/forms/qCq0tYo01j


sexta-feira, 17 de junho de 2016

Inscreva-se Seminário Mata Atlântica

Para participar do Seminário é preciso se inscrever.

Acesse e faça sua inscrição agora: http://goo.gl/forms/qCq0tYo01j

Convide seus amigos e colegas

Programação completa